terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Incerto

Quero aqueles dias pequenos de volta...
Aqueles breves dias em que a vida se limitava em pequenas responsabilidades.
Quando não conhecia o mundo e suas maldades.
Não existia preocupação no amanhã, no andar com as minhas próprias pernas.
Nem, tampouco, na vaidade, no fazer a beleza se tornar eterna.
Nada era tão importante...
Tudo se resumia em pouco.

Lembro dos dias que chovia, e enquanto olhava a chuva cair,
Apreciava o cinza do céu, admirava o perfume da terra molhada.
Aquele momento parecia ser eterno.
Não pensava no que viria...
No que eu precisava lutar pra conseguir adiante.
Não sentia medo das minhas conquistas estarem distantes.
Vivia o presente, sem temer.

Mas um dia, o que é breve deixa de ser...
Porque é curto, e passa logo.
A vida vai sem pedir permissão.
Sem parar o tempo pra te conceder a oportunidade de pensar e decidir o que fará dela.
Enquanto pensas, ela vai...
E carrega o seu tempo, mesmo que vazio.
Não importa.
Já foi.

Talvez seja injusto pensar assim...
Mas é a sinceridade dos meus sentimentos neste instante.
Pode parecer apenas o simples fato de acordar num dia ruim,
Até lamento por não ser só isso...
No entanto quando o incerto se estende por tanto tempo,
Algo dentro de si começa a entrar em conflito...
Até não suportar mais.

As chuvas viraram tempestades...
Não há mais dias iguais.

Um comentário:

Cêe disse...

é, também tenho essa impressão.


Beleza não é tudo, mas que inspira, inspira!
s2